09/11/2016

ANGOLA - 1914 - Sobrecarga REPUBLICA local (1)

Aparecem com muita frequência selos com sobrecarga REPUBLICA local para todos os gostos. Sobrecargas duplas, triplas, com letras invertidas, trocadas, com cores diferentes, etc, etc, etc...
É estatisticamente impossível que não haja nestas sobrecargas manipulação propositada que ajudou a produzir toda a miríade de variantes e erros que vemos. Claro que no meio disto, mesmo que algum erro genuíno exista, fica para sempre manchado na dúvida.

Neste post vou-me cingir a um exemplo que recentemente veio a leilão com um dos selos mais raros e procurados de Angola, D. Carlos I (Diogo Neto) com sobretaxa de 115 sobre 150 reis, e sobrecarga REPUBLICA local.

Af#172, dent 12½, com sobrecarga duvidosa
Certificado da ISPP

Muitos destes selos têm tiragens diminutas, no caso em apreço 1.199 (por comparação basta ver a tiragem do D. Maria de 100 reis que foi de 147.600 exemplares). Se juntarmos que nas sobras usadas para sobrecarregar havia 3 denteados diferentes, facilmente percebemos a raridade destas peças.

As sobrecargas foram tipografadas localmente, e em vários selos, não só nos "raros". Ao observarmos muitos exemplares, novos, usados e até alguns em peça, depressa percebemos que estas são bastante consistentes em termos dos tipos utilizados, da cor, da posição em relação ao selo.


Af#173, mesma sobrecarga mas num selo comum

Isto coloca-nos um dilema interessante! É que não há maneira de ter certezas em relação a uma sobrecarga em particular, e podem de facto haver diferenças por exemplo conforme a posição da folha como no caso dos erros conhecidos, e à partida genuínos, do "REUPBLICA" e do "CA" descaído. (Do "REUPBLICA" por ser catalogado e muito cedo detectado, aparecem muitas falsificações!)

Af#117, erros reupblica e republica

Também é aceitável que as sobrecargas não tenham sido feitas todas no mesmo dia, com a mesma tinta, mas a tendência será não apresentarem assim tantas diferenças. Principalmente em selos com tiragens diminutas.
Resumindo, estamos a trabalhar com suposições e probabilidades calculadas empiricamente, sem dados estatísticos suficientes, mas a observação de muitos exemplares dá-nos uma sensação do que nos parece mais genuíno e do que achamos ter mais probabilidade de ter sido manipulado.

Assim, na minha opinião, não arriscaria a compra deste selo porque ao avaliar o seu aspecto fico com muitas dúvidas. A sobrecarga está muito danificada, meia desaparecida, aparentando ter uma tinta diferente da original, apesar do tamanho e posição aparentemente correctos. A cor é difícil de avaliar uma vez que as imagens têm origens diferentes.
Vejamos uma comparação com dois selos que considero terem uma forte probabilidade de serem genuínos:

Af#172, comparação com outros selos

Para terminar, reforço que não estou a afirmar que a sobrecarga é falsa. Estou a afirmar que não o compraria para a minha colecção porque avaliados outros selos e sobrecargas desta série, a deste selo me parece muito duvidosa.

Excerto do leilão onde o selo tem aparecido

Composição com vários exemplos de sobrecargas para os mais variados gostos


Sem comentários:

Publicar um comentário